Bócio: Veja como evitar esta doença

Como já destacado em artigos anteriores, os hormônios são importantíssimos para o pleno funcionamento do nosso corpo, Estes devem estar presentes em nosso organismo numa quantidade certa, nem para mais nem para menos, para assim desempenhar suas funções de forma correta.

Veja Também: Síndrome de Cushing.

A doença citada neste presente texto trata-se de uma deficiência na concentração de um hormônio advindo da tireoide. Veja.



T3 e T4

Os hormonios tireoideanos são mensageiros responsáveis por desempenhar diversas funções, tais como: auxiliar na comunicação neuronal em crianças, produzir enzimas e aumentar a atividade de enzimas metabólicas, isto é, acelerar o processo de ganho e gasto de energia. São dois hormônios, t3 e t4, sendo o t3 a forma ativa do hormônio, onde já está pronto para agir, e o t4 que precisa passar pelo processo de iodinase para se tornar efetor.

Sua produção se dá por diversos processos e antecessores, iniciando pelo órgão hipotálamo, produzindo o Hormônio produtor de tireotrofina TRH, a porção adenohipófise da hipófise, produzindo o Hormônio estimulador da tireóide, e a propria tireóide, produzindo o t3 e t4.    

Estes dois, numa condição normal de funcionamento, são secretados pela tireóide e percorrem o organismo fazendo suas ações metabólicas e retornam até os orgãos hipotálamo e a Adenohipófise para cessarem a produção de TRH e TSH, respectivamente, configurando o Feedback negativo. No entanto, por uma má alimentação sem a ingestão correta de iodo, este funcionamento é prejudicado, fazendo este ciclo falhar e entrar em desequilíbrio.



Desequilíbrio da Tireóide

Outro fator que acentua este problema é a própria característica hormonal dos mensageiros. A forma inativa do hormônio, o t4, possui maior longevidade quando comparado com a forma ativa, cerca de 6 a 7 dias para o t4 e 1 dia para o t3; isso significa que a longo prazo, a presença de t3 estará mais diminuta no organismo, causando outros problemas relacionados à saúde, como o hipotireoidismo.

Com o nível de iodo abaixo do limiar, isso se expressa na baixa concentração de t3 e t4 e consequentemente, a baixa resposta do feedback negativo, o que não se faria cessar a produção, principalmente de TSH, aumentando sua concentração na tireóide e hipertrofiando-o.

O grande resultado nesse problema é a desproporção da glandula em relação ao pescoço, problemas relacionados ao metabolismo e ao sistema cardiovascular.  

Note a conversão feita pela iodinase do t4 em t3. 



Como evitar o Bócio

A forma mais simples de se evitar este problema é através da alimentação. Atualmente há uma quantidade necessária no sal de cozinha, chamado sal iodado. Isto não significa que precisas de ingerir grandes quantias de sal (NÃO É PRA FAZER ISSO!!), pois se o fizer não terás problema de bócio mas de hipertensão. 

Se caso suspeite de bócio, procure um especialista, um endocrinologista ou equivalente.    

Apressa-te a viver bem e pensa que cada dia é, por si só, uma vida.

Sêneca, retirado de “Pensador.