Desemprego Urbano e sua Face Rural

PINHEIRO, Zairo; SILVA, Silvio Simione da; CORREIA, Castelo Branco (orgs). Desemprego Urbano e sua Face Rural. Curitiba: Editora CRV, 2012, p. 09-20; 45-55; 71-89.

O livro apresenta uma síntese do processo migratório na América Latina, analisando os motores da mobilidade de mão-de-obra e as consequências que esta mobilidade pode proporcionar. O contexto do livro descreve os principais motivos da migração dos povos da América Latina, do rural-urbano e do urbano-rural, e apresenta também algumas consequências desse processo que levou a escassez populacional de uma determinada área (rural) e a superlotação de outra (urbana).

Na parte inicial do livro, o autor apresenta alguns dos principais motores que desencadeou essa mobilidade, que, destaca-se entre outros, a necessidade de braços para trabalhar nas recém-criadas empresas agrícolas, que substituiu aos poucos o modo de vida da população nativa, as mudanças sócio-políticas que afetaram as estruturas das sociedades organizadas, e também a necessidade de repor os braços (mão-de-obra) em virtude da dizimação de trabalhadores por doenças tropicais, inadaptações climáticas e outros fatores.
Devido o processo de migração da população da zona rural para as cidades, houve um desequilíbrio populacional que resultou na escassez de mão-de-obra no setor primário (que compreende desde a agricultura, a pecuária a outras atividades que fornecem matéria-prima a outros setores de produção), e a superlotação de mão-de-obra no setor terciário (indústrias, transportes, serviços e outros), considerando que a disponibilidade de pessoas para trabalhar no setor terciário quase sempre não atendem as necessidades do mercado de trabalho, considerando que as pessoas que saem da zona rural para as cidades na maioria das vezes não possui nenhuma especialização para realizar tais atividades que o mercado de trabalho disponibiliza. Outra consequência da superlotação do urbano é o crescimento desordenado das cidades, que expandem sua área sem nenhum planejamento devido à velocidade de crescimento e fica em debito no oferecimento de infraestrutura básica para o bem estar da população, principalmente nas áreas periféricas, deixando a desejar em alguns recursos, como: saneamento básico, transporte, educação, etc., resultando num modo de vida precária das pessoas que habitam essas determinadas áreas. O autor apresenta ainda algumas situações em que as pessoas migram do campo para a cidade, mas continuam a trabalhar na zona rural e de pessoas que migram da cidade para o campo, mas continuam a trabalhar na cidade, estando segundo ele, no espaço, mas fora do lugar.
As partes do livro das quais foram extraídas as referidas informações aborda a temática sobre migração e suas consequências, apresentando-se de forma coesa e objetiva, proporcionando uma visão nítida sobre o assunto, caracterizando o livro como essencial para quem deseja compreender melhor os motores do processo de migração e a diversidade de consequências que este processo pode desencadear.
Fabio Alves Jorge, Adeilson Odorico Silva, Neriane Rios Souza, Maílson Ferreira da Silva, acadêmicos do curso de Historia, I Período, Universidade Federal de Rondônia-UNIR, Campus Rolim de Moura-RO.