Diabetes mellitus: Definição e casos

O diabetes é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por alta concentração de glicose no sangue e associadas a complicações, disfunções e insuficiência de vários órgãos, especialmente olhos, rins, nervos, cérebro, coração e vasos sanguíneos.

No geral, a diabetes se divide em dois grupos: A mellitus, a porção comum e mais registrada, e insipidus, a mais rara por incidência.

Diabete mellitus:

Pode ser que por nome você não conheça esta classificação, mas esta mesma, é muito participativa do cotidiano de muitos brasileiros. Hoje, no Brasil, estima-se 11% da população igual ou superior a 40 anos, o que representa
cerca de 5 milhões e meio de portadores de tal doença (população estimada IBGE 2005).

A Diabete mellitus se divide em duas subclassificações, tais registradas como tipo 1 e tipo 2.

Tipo 1

O termo tipo 1 indica destruição da célula beta que eventualmente leva ao estágio de deficiência absoluta de insulina, o que poderia levar a morte de fato.

É causada geralmente pelo próprio processo de imunização do nosso corpo, podendo ocorrer de forma rapidamente progressiva, principalmente, em crianças e adolescentes (pico de incidência entre 10 e 14 anos), ou de forma lentamente progressiva, geralmente em adultos, (LADA, latent autoimmune diabetes in adults; doença auto-imune latente em adultos).

Ilustração de uma célula de defesa humana

Tipo 2

O termo tipo 2 é usado para designar uma deficiência relativa de insulina, é muito raro levar a morte por cetoacidose. A maioria dos casos apresenta excesso de peso ou deposição central de gordura.

A obesidade está intimamente relacionada com a D. mellitos tipo 2

Diabete gestacional

É a hiperglicemia diagnosticada na gravidez, de intensidade variada, geralmente se
resolvendo no período pós-parto, mas retornando anos depois em grande parte dos casos.

alteração hiperglicêmica durante a gestação é a chamada Diabete gestacional.

Rastreamento de Diabetes mellitus:

Cerca de 50% da população com diabetes não sabe que são portadores da doença, algumas vezes permanecendo não diagnosticados até que se manifestem sinais de complicações. Por isso, testes de rastreamento são indicados em indivíduos que apresentem maior risco da doença, mesmo estes não terem sintomas de diabetes. Fatores indicativos de maior risco são listados a seguir:

    • Idade >45 anos.
    • Sobrepeso (Índice de Massa Corporal IMC >25).
    • Obesidade central (cintura abdominal >102 cm para homens e >88 cm para
      mulheres).
    • Antecedente familiar (mãe ou pai) de diabetes.
    • Hipertensão arterial (> 140/90 mmHg).
    • Colesterol HDL d”35 mg/dL e/ou triglicerídeos e”150 mg/dL.
    • História de macrossomia (dimensão exagerada de todas as partes do corpo) ou diabetes gestacional.
    • Diagnóstico prévio de síndrome de ovários policísticos.
    • Doença cardiovascular, cerebrovascular ou vascular periférica definida.
Fonte:

Diabete mellitus. link (http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diabetes_mellitus.PDF).

Veja mais:

Feridas de diabéticos saram ou não saram?